Conhecimento e conduta em relação as injúrias dentárias traumáticas de professores do ensino fundamental de João Pessoa-PB, Brasil

Heloisa Helena Pinho Veloso, Jussara Marinho de Melo, Danielly Raizer de Oliveira, Orlando Aguirre Guedes, Andréa Sarmento Queiroga

Resumo


Objetivo: Avaliar o conhecimento de professores do ensino fundamental sobre as condutas nos casos de injúrias dentárias traumáticas (IDTs) em escolares. Material e método: O estudo foi realizado em uma amostra de 172 professores do ensino fundamental em João Pessoa-PB, e que responderam a um questionário com perguntas sobre os conhecimentos a cerca das condutas relacionadas ao tratamento emergencial de IDTs. Resultados: Os participantes do estudo eram em sua grande maioria do gênero feminino (79,6%) e tinham entre 20 e 40 anos (49,4%). Sobre os procedimentos a tomar após um acidente com trauma da face, 78% disseram que examinariam a boca das crianças. Com relação a possibilidade de salvar um dente fraturado, 78,5% dos entrevistados responderam positivamente. Em casos de dentes avulsionados, verificou-se que 7,6% dos professores não se preocupariam com o dente, apenas com a criança, e somente 33,7% procurariam o dente. O tempo ideal para procurar o cirurgião-dentista foi relatado por 52,8% como sendo no máximo 30 minutos. Quanto ao meio de armazenamento, 8,1% transportariam o dente imerso em leite e 29,7% em soro fisiológico. Conclusões: O nível de conhecimento dos professores foi insuficiente frente ao atendimento de urgência de traumatismos dentários, necessitando-se de capacitação com o intuito de minimizar as perdas dentárias.


Texto completo:

PDF