Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 25 n. 73 (2016): ROBRAC

Distribuição espacial dos casos de paracoccidioidomicose com manifestações bucais no estado de Mato Grosso, Brasil

  • Maria Carmem Palma Faria Volpato
  • Luiz Evaristo Ricci Volpato
  • Orlando Aguirre Guedes
  • Carlo Ralph de Musis
  • Cyntia Rodrigues de Araújo Estrela
  • Artur Aburad de Carvalhosa
Enviado
maio 2, 2016
Publicado
maio 7, 2016

Resumo

Objetivo: Analisar a distribuição espacial dos casos de paracoccidioidomicose (PCM) com manifestações bucais no estado do Mato Grosso por meio do georreferenciamento. Material e método: Foram utilizados como fonte de pesquisa laudos citológicos (citologia esfoliativa bucal) e histopatológicos (biópsia de lesão de boca) de pacientes com manifestações bucais associadas à PCM, obtidos do banco de lesões do Serviço de Patologia Bucal do Laboratório Público do Estado de Mato Grosso, no período de 2005 a 2011. Dados referentes à procedência dos pacientes (endereço de residência e localidade) foram coletados dos registros e incorporados ao sistema de informações geográficas com o auxílio do software ArcGIS 10.1. A base de dados espacial utilizada na pesquisa foi fornecida pelo servidor de mapas da Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral do Estado de Mato Grosso. O processo de análise da distribuição espacial dos casos se deu por meio do estimador de intensidade de Kernel, com localização da maior ou menor concentração dos fenômenos no espaço. Resultados: Foram diagnosticados 125 casos de PCM com manifestações bucais em 53 (37,5%) dos 141 municípios mato-grossenses. Os municípios com maior número de casos foram Alta Floresta (n=10; 8,0%), Colíder (n=7; 5,6%) e Cuiabá (n=7; 5,6%). Foi observada elevada concentração de casos nas regiões Norte e Sul do estado. Conclusão: Observou-se distribuição heterogênea dos casos de PCM no estado, com concentração nas regiões de maior desenvolvimento econômico e fluxo rodoviário e presença de águas contaminadas. Não foram registrados casos de PCM em reservas indígenas e ecológicas.