Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Relato de Caso

v. 28 n. 87 (2019): ROBRAC

Fibroma ossificante central em criança: relato de caso

  • Germano Angarani
  • Lucas Teixeira Brito
  • Angela Beatriz Cavalcante de Amorim Izac
  • Rubens Jorge Silveira
DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v28i87.1311
Enviado
março 14, 2019
Publicado
abril 14, 2020

Resumo

O fibroma ossificante central, de acordo com a última classificação da OMS, é um tumor de origem odontogênica, por apresentar origem nas células do ligamento periodontal. A maior parte das lesões são encontradas nas regiões próximas aos dentes com mais frequência em mandíbula. Acometem mais o sexo feminino e a idade mais incidente é por volta da terceira década de vida. Achados imaginológicos e/ou assimetrias faciais são as principais suspeitas. O diagnóstico deve incluir informações da anamnese, bem como exames de imagem e histopatológico que confirma a natureza da lesão. O tratamento pode variar desde uma curetagem da lesão até ressecção em bloco de acordo com o tamanho da lesão e sua localização. Os autores descrevem o caso clínico de uma paciente de 13 anos, sexo feminino, com lesão unilateral em mandíbula. O tratamento proposto, após confirmação da lesão através da biópsia incisional, foi a exérese da lesão com preservação do nervo mentual, realizado sob anestesia local. Com 6 meses de acompanhamento, a lesão se mostrou persistente, porém com alterações mediante novo histopatológico. Diante da ausência de expansão da lesão e a idade da paciente, bem como seu desenvolvimento ósseo, optou-se pela proservação do caso, com acompanhamentos semestrais. As lesões fibro-ósseas devem ser tratadas de forma individualizada e de acordo com a vivência do cirurgião, haja vista que por apresentarem curso benigno, as ressecções amplas devem ser ponderadas, nesse caso se faz necessário discutir as condutas frente a essas lesões.