Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 30 n. 89 (2021): ROBRAC 30 anos

Resistência à tração de coroas metálicas cimentadas com cimentos provisórios

DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v30i89.1435
Enviado
julho 10, 2020
Publicado
abril 5, 2021

Resumo

A cimentação provisória contribui na reabilitação estética e funcional, enquanto espera-se pela cimentação do material definitivo, sendo fundamental a utilização de cimentos com boas propriedades biomecânicas, como a resistência friccional, evitando seu deslocamento e infiltração. Objetivo: Este estudo in vitro avaliou a resistência friccional por tração na cimentação de coroas metálicas fundidas com 3 agentes cimentantes provisórios, após 7 dias e 21 dias. Material e método: foram selecionados 24 dentes humanos (terceiros molares), hígidos ou com pequenas lesões cariosas, que foram preparados conforme Técnica da Silhueta e enviados para a fundição, para confecção das coroas metálicas em Ni-Cr. Os corpos-de-prova foram divididos em: Grupo I: Cimento de hidróxido de cálcio (Dycal); Grupo II: Cimento de óxido de zinco e eugenol (Temp-Bond) e Grupo III: Cimento de óxido de zinco sem eugenol (Temp- Bond NE). A força de tração dos corpos-de-prova foi mensurada em uma Máquina Universal de Ensaios (Instron). A análise estatística dos dados foi realizada pelo teste ANOVA e teste de Bonferrori (p<0,05). Resultados: Ambos Dycal (9,92 kgF) e Temp-Bond NE (9,52 kgF) apresentaram os maiores valores, com diferença estatística para o Temp-Bond (5,96 kgF). Conclusões: Dentre os agentes cimentantes avaliados, os sem eugenol em sua composição (Temp-Bond NE e Dycal) apresentaram melhor desempenho no quesito retenção friccional, quando comparados ao cimento com eugenol, e o fator tempo influenciou significativamente.