Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 18 n. 47 (2009): ROBRAC

Avaliação da resistência à abrasão do TI CP frente a diversos materiais restauradores

  • Ricardo Faria Ribeiro
  • Bruno José Rodrigues Almeida
  • Adriana Cláudia Lapria Faria
  • Ana Paula Macedo
  • Maria da Gloria Chiarello Mattos
  • Renata Cristina Silveira Rodrigues
DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v18i47.16
Enviado
março 11, 2010
Publicado
março 11, 2010

Resumo

O uso do titânio comercialmente puro (Ti cp) tem aumentado na confecção de estruturas metálicas de próteses. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar in vitro a resistência à abrasão do Ti cp em oposição a diversos materiais restauradores. Foram fundidos corpos-de-prova de forma hemiesféricas (5mm de raio) em titânio cp grau I por arco voltaico em atmosfera inerte de argônio. Como antagonistas foram preparados discos com 20,0mm de diâmetro de: Ti cp; ligas de Co-Cr e Ni-Cr, resina composta TPH e cerâmica Empress-2, todos com rugosidade de 0,75μm. Foram realizados aproximadamente 40000 ciclos (4,4Hz) sob carga constante de 5N. A resistência à abrasão do titânio foi medida pelo desgaste vertical dos corpos-de-prova hemiesféricos em projetor de perfil Nikon. Os dados foram submetidos à ANOVA e teste complementar de Tukey (α=0,05). Os resultados (μm) encontrados foram: Ti cp X resina (37,75±7,99); Ti cp X cerâmica (73,25±9,96); Ti cp X Co-Cr (77,17±9,95), Ti cp X Ti cp (199,00±86,90) e Ti cp X Ni-Cr (261,50±39,23). Não houve diferença significante (p>0,05) quando os antagonistas foram de resina, cerâmica e liga de Co-Cr. Quando submetido a antagonistas de Ti cp e liga de Ni-Cr os resultados foram estatisticamente significantes (p<0,05), com maior desgaste contra o antagonista de Ni-Cr. É possível concluir que o material a ser utilizado na arcada antagonista deve ser escolhido cuidadosamente quando as próteses forem confeccionadas em Ti cp porque há o risco de desgaste da prótese.