Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 18 n. 47 (2009): ROBRAC

Cisto do Ducto Nasopalatino: considerações microscópicas e de diagnóstico diferencial

  • Adriana Menucci Bachur
  • Teresa Cristina Ribeiro Bartholomeu Santos
  • Henrique Martins Silveira
  • Fábio Ramôa Pires
DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v18i47.21
Enviado
março 11, 2010
Publicado
março 11, 2010

Resumo

Os cistos do ducto nasopalatino são entidades incomuns dos maxilares, mas que podem assemelhar-se clínica e radiograficamente a outras lesões císticas e sólidas da região anterior mediana da maxila. O objetivo deste trabalho foi reportar 4 casos de cisto do ducto nasopalatino buscando discutir suas características microscópicas e de diagnóstico diferencial relevantes na prática clínica odontológica. As informações demográficas, clínicas e imaginológicas foram obtidas a partir dos registros laboratoriais dos pacientes e as lâminas histológicas coradas em hematoxilina e eosina dos 4 casos foram revisadas sob microscopia ótica. Os 4 casos acometeram homens com média de 53 anos de idade e todas as lesões eram assintomáticas. As imagens radiográficas eram radiolúcidas uniloculares, localizadas entre os incisivos centrais superiores e com tamanho médio de 2,0 cm (variando de 1,0 a 4,0 cm). Todos os casos foram tratados através de enucleação cirúrgica e a análise microscópica revelou que 3 dos 4 casos eram revestidos por mais de um tipo de epitélio, sendo o epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado o mais comum. Conclui-se que os cistos do ducto nasopalatino acometem usualmente homens adultos, assemelhando-se aos cistos periapicais associados aos incisivos centrais superiores e que devem ser tratados através de procedimentos cirúrgicos conservadores com posterior avaliação microscópica minuciosa do espécime removido.