Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 19 n. 48 (2010): ROBRAC

Avaliação do Nível de Conhecimento dos Cirurgiões-Dentistas sobre Maus Tratos Infantis

  • Keny C. Souza
  • Rafael Almeida Decurcio
  • Heloísa H. P. Veloso
Enviado
abril 21, 2010
Publicado
abril 21, 2010

Resumo

Crianças e adolescentes têm sido maltratados e sofrido inúmeras formas de violência, através de maus tratos físicos, psíquicos, abuso sexual e negligência. Diante da dimensão do problema para a saúde coletiva, este estudo objetiva avaliar a importância e o nível de conhecimento de cirurgiões-dentistas, das Unidades Básicas de Saúde, de João Pessoa- PB, sobre esse tipo de violência. Trata-se de um estudo indutivo, com um questionário contendo questões abertas e fechadas. Os dados foram submetidos à análise estatística-descritiva. Os dados foram quantificados pelo programa EPI-INFO 7.01. Dentre os resultados, 94,7% dos profissionais tinham conhecimentos básicos sobre os maus tratos infantis, sendo a violência física a mais citada. Das denuncias feitas aos dentistas, a maior ocorrência foi de abuso sexual. Os locais do corpo da vítima mais acometidos foram cabeça e pescoço. A notificação só deveria ser realizada após o diagnóstico clínico, a partir da resposta de 52,6% dos profissionais. O órgão de maior importância para a notificação foi a Unidade Básica de Saúde (63,1%). O que mais interferiu na não notificação foi o nível insuficiente de conhecimentos para o diagnóstico exato. Os dentistas analisados apresentaram boa percepção sobre o assunto, embora não saibam como pôr em prática suas informações. Conclui-se que o conhecimento dos dentistas sobre os maus tratos infantis é básico e restrito e que o incremento de programas de formação continuada e a ampliação de redes de suporte profissional poderão aumentar a busca por novos conhecimentos, tendo-se um aumento nos atos de prevenção, diagnóstico e notificação desse problema social.