Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 19 n. 49 (2010): ROBRAC

Gênero e escolha por especialidades odontológicas: estudo com egressos de uma Universidade Pública Federal

Enviado
maio 28, 2010
Publicado
julho 27, 2010

Resumo

A tendência à especialização e o incremento feminino na graduação é uma realidade, porém, existem na literatura científica poucos trabalhos que relacionam a escolha pela especialização e o gênero, e até o presente momento não se verificou referências à região Centro-Oeste. O objetivo deste estudo foi analisar a escolha por especialidades odontológicas dos egressos da Universidade Federal de Goiás, segundo o gênero, em um  período de 20 anos. A população de estudo foi os 1188 egressos do período de 1988 a 2007. Os dados  secundários foram coletados no Departamento de Assuntos Acadêmicos da Universidade Federal de Goiás e no Conselho Federal de Odontologia. Foram realizadas análise descritiva e teste qui-quadrado. Verificou-se que 436 (36,7%) dos profissionais tinham pelo menos uma especialidade e 46 (3,9%) tinham duas especialidades registradas no Conselho Federal de Odontologia. A proporção de especialistas foi maior entre homens (41,0%) que entre as mulheres (33,9%) (p=0.013). As especialidades preferidas entre os profissionais foram ortodontia (18,3%), prótese (17,8%), endodontia (15,4%), periodontia (13,9%) e odontopediatria (12,7%). Destas a única que teve diferença significativa entre os gêneros foi a odontopediatria. Dentre as outras especialidades houve diferença entre os gêneros na cirurgia buco-maxilo-facial e na implantodontia. O gênero influenciou na escolha de algumas especialidades e apesar de haver mais mulheres especialistas, proporcionalmente os homens
optaram mais por fazerem uma especialidade.