Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 20 n. 52 (2011): ROBRAC

Anatomia interna da raiz mésio-vestibular dos primeiros e segundos molares permanentes superiores

DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v20i52.538
Enviado
março 12, 2011
Publicado
março 16, 2011

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa refere-se ao estudo da anatomia interna da raiz mésio-vestibular dos primeiros e segundos molares superiores permanentes. Material e método: Duzentos e vinte cinco molares tiveram a sua raiz mésio-vestibular seccionada ao nível amelo-cementário e, visualmente, com auxílio de sonda exploradora, foram selecionadas aquelas que apresentaram na região cervical, dois orifícos correspondentes às entradas dos condutos mésio-vestibular e mésio-palatino, perfazendo um total de cem raízes (44,44 %). Todas elas foram submetidas ao processo de diafanização, associada à injeção de hematoxilina, que confere transparência às raízes e coloração aos condutos, permitindo, assim, a avaliação tridimensional da anatomia dental interna. Resultados: A presença de dois condutos percorrendo toda a raiz e terminando separados em dois forames foi observada em 46% da amostra, sendo que 68% em altura apical distinta e, a percentagem de condutos que se fusionaram nos terços cervical, médio ou apical e terminaram em um forame foi de 53%. Encontrou-se, também, uma raiz com três condutos e oito dentes com uma raiz extra, correspondente ao canal mésio-palatino. Conclusão: Os resultados mostraram que a incidência expressiva de mais de um conduto na raiz mésio-vestibular e o complexo sistema de canais que ela apresenta, pode ter grande influência no sucesso dos tratamentos endodônticos dos molares superiores, exigindo, por isso, atenção especial do endodontista.