Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 21 n. 56 (2012): ROBRAC

Atividade antiaderente de Cimentos de Ionômero de Vidro puros e associados à Clorexidina 2% e à Schinus terebinthifolius frente a bactérias cariogênicas

DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v21i56.639
Enviado
março 16, 2012
Publicado
abril 27, 2012

Resumo

Objetivo: Verificar a atividade antiaderente de Cimentos de Ionômero de Vidro (CIV) puros e associados à Clorexidina (2%) e à tintura de Schinus terebinthifolius [Aroeira (10%)] sobre Streptococcus mutans (ATCC 25175) e S. oralis (ATCC 10557). Materiais e métodos: Foram avaliados Vitro Fil®, Maxxion R® e Vitro Cem®, os quais foram manipulados de acordo com as recomendações dos fabricantes ou com adição das substâncias à formulação. Para determinação da aderência bacteriana aos materiais, os corpos de prova foram postos em tubos contendo Brain Heart Infusion Broth e suspensão bacteriana, sendo levados à estufa por 24h, 37ºC, sob microaerofilia para S. mutans. Posteriormente, os microrganismos aderidos aos corpos de prova foram dispersos sob vibração, diluídos e semeados em placas contendo Ágar Müeller Hinton + 5% de sacarose para contagem do número de unidades formadoras de colônias (UFC.mL-1). Os ensaios foram realizados em triplicata. Análise estatística empregou o teste ANOVA e pós-teste de Tukey (α=0,05). Resultados: Na forma pura, os CIV Vitro Cem® e Vitro Fil® apresentaram a melhor atividade antiaderente frente a S. oralis. Quando associados à clorexidina e aroeira, o Maxxion R® e Vitro Cem® aumentaram significativamente (p<0,05) a atividade antiaderente dos materiais, se comparados à forma pura, contra S. oralis e S. mutans, respectivamente. Conclusão: Determinadas associações de CIV à clorexidina (2%) e à tintura de aroeira (10%) podem potencializar in vitro a atividade antiaderente dos materiais restauradores contra S. mutans e S. oralis.