Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 21 n. 56 (2012): ROBRAC

Suscetibilidade do E. faecalis e S.aureus a vários antimicrobianos

  • Régis Augusto Aleixo Alves
  • Felipe Cavalcanti Sampaio
  • Orlando Aguirre Guedes
  • Cyntia Rodrigues de Araújo Estrela
  • Carlos Estrela+
DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v21i56.649
Enviado
maio 8, 2012
Publicado
maio 8, 2012

Resumo

Objetivo: Verificou-se a suscetibilidade do Enterococcus faecalis e Staphylococcus aureus frente a diferentes agentes antimicrobianos por meio do teste de difusão em ágar. Material e Método: Para o experimento foram utilizados os seguintes antimicrobianos: amoxicilina + ácido clavulânico, amoxicilina, azitromicina, cefalexina, ciprofloxacina, eritromicina, clindamicina, penicilina G, oxacilina e vancomicina. Vinte placas de Petri com 20 mL de BHIA inoculadas com 0,1 mL da suspensão microbiana foram semeadas com o auxílio de swabs estéreis. Cem discos contendo os agentes antimicrobianos testados foram colocados em contato direto com a superfície do BHIA (n= 10, para cada grupo). As placas foram mantidas por 1 hora à temperatura ambiente e então incubadas a 37ºC por 48 horas. Decorrido este período, mensurou-se os diâmetros dos halos de inibição microbiana, indicadores da eficácia ou não dos agentes testados, com o emprego de um paquímetro digital. Resultados: Entre os agentes microbianos testados, a oxacilina não promoveu halo de inibição apenas para o E. faecalis. A amoxicilina associada ao ácido clavulânico, amoxicilina e penicilina G evidenciaram potencial antimicrobiano principalmente contra o S. aureus. Conclusão: A maioria dos agentes antimicrobianos avaliados demonstrou efetividade sobre os indicadores microbianos, com valores médios dos halos de inibição entre 15 e 35 milímetros, exceto a oxacilina para o E. faecalis