Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 23 n. 64 (2014): ROBRAC

Influência do status tabágico na autopercepção de saúde bucal de universitários

DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v23i64.704
Enviado
dezembro 13, 2012
Publicado
abril 23, 2014

Resumo

Objetivo: correlacionar a autopercepção de saúde bucal de estudantes universitários com o status tabágico. Metodologia: estudo transversal com acadêmicos de uma Instituição de Ensino Superior de Anápolis-GO, que responderam a um questionário autoaplicado, contendo 10 perguntas sobre o status tabágico, exposição à poluição tabágica ambiental (PTA), e autopercepções de saúde bucal e de necessidade de tratamento odontológico. Resultados: dos 445 participantes, 69% eram não fumantes (NF), 23% fumantes passivos (FP), 2% ex-fumantes (EF) e 6% fumantes (F). Fumantes, agregados com EF, apresentaram chance 4,8 vezes maior de conviver com amigos fumantes, 5,5 vezes maior de exposição à PTA no ambiente universitário, e 7 vezes maior de exposição 8 horas/dia ou maior à PTA, quando comparados aos FP. Quanto à autopercepção de saúde bucal, mais EF e F avaliaram sua saúde bucal como "ruim" (p<0,0001), e sua necessidade de tratamento odontológico como "muita" (p=0,0004), em relação aos NF e FP. O percentual de participantes que afirmaram nunca ter recebido instruções de higiene oral foi maior entre F e EF do que entre NF e FP (p=0,0008). Conclusão: F e EF foram mais propensos a considerar sua saúde bucal ruim e muita sua necessidade de tratamento odontológico, comparados a NF e FP.