Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Pesquisa Científica

v. 23 n. 64 (2014): ROBRAC

Detecção de periodontopatógenos, glicoproteína EMMPRIN (CD-147) e sua correlação com MMP-2 e MMP-9

DOI
https://doi.org/10.36065/robrac.v23i64.846
Enviado
maio 26, 2014
Publicado
maio 26, 2014

Resumo

A periodontite é uma doença infecciosa caracterizada pela secreção de uma variedade de mediadores inflamatórios que levam a destruição dos tecidos de suporte dental e possível perda dos dentes, em associação com a infecção por múltiplas espécies bacterianas.  Estima-se que mais de 400 espécies colonizam o biofilme dental e algumas das espécies bucais relacionadas à doença periodontal estejam no biofilme subgengival como Porphyromonas gingivalis, Tannerella forsythia, Treponema denticola. Entretanto, outros microrganismos podem estar relacionados a patologia desta doença, como Filifactor alocis e Prevotella tannerae. Esses microrganismos e seus subprodutos, como endotoxinas liberados o meio extracelular, levam ao estímulo da glicoproteína indutora de metaloproteinase (EMMPRIN, CD-147), que estimula a liberação de MMPs por fibroblastos e células endoteliais, levando a destruição do tecido. Com o objetivo de detectar F. alocis, P. tannerae e T. denticola, glicoproteina EMMPRIN (CD-147) e sua correlação com MMP-2  e MMP-9, amostras de fluido subgengival de pacientes com periodontite crônica, foram coletados de sítios sadios e doentes antes do tratamento periodontal básico e após 60 dias do tratamento. Os respectivos DNAs das bactérias foram extraídos e trechos do gene 16S foram amplificados e posteriormente realizados PCR convencional para a análise microbiológica dos microrganismos. Para a quantificação do EMMPRIN (CD-147), MMP-2 e MMP-9 foi usado ELISA-Sandwich. Resultados demonstraram que o grupo doente aumentou significantemente T. denticola, F. alocis e P. tannerae quando comparados com sítios saudáveis.  MMP-2 e MMP-9 foram detectados em altas concentrações com redução estatisticamente significante após tratamento periodontal para MMP-2, mas não houve correlação com EMMPRIN.