Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos originais

v. 19 n. 51 (2010): ROBRAC

Atitudes dos cirurgiões-dentistas em relação à proteção radiológica, de acordo com a Lei Brasileira

Enviado
agosto 25, 2010
Publicado
janeiro 19, 2011

Resumo

<!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:roman; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1107304683 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman","serif"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; font-size:10.0pt; mso-ansi-font-size:10.0pt; mso-bidi-font-size:10.0pt;} @page WordSection1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;} --> Objetivo: realizar uma pesquisa em consultórios odontológicos na cidade de São José do Rio Preto – SP sobre conhecimento e atitudes dos profissionais sobre proteção radiológica e comparar os dados com as recomendações da lei brasileira (Portaria 453 Secretaria de Vigilância Sanitária – Ministério da Saúde). Materiais e Métodos: Cento e cinqüenta consultórios odontológicos foram visitados e foi aplicado um questionário. Resultados: observou-se que 26% dos entrevistados não conheciam a lei; 23% não avaliavam radiografias existentes do paciente; 21% não usavam vestimenta plumbífera nos pacientes; 49% não usavam posicionadores de filmes; 58% ainda utilizavam processamento visual; 93% utilizavam filme E ou F, entretanto a média de tempo de exposição foi 0.5s; 14% dos equipamentos possuíam cone localizador e 83% seletor de tempo manual; 17% dos dentistas não se protegiam durante a exposição do paciente e 64% ainda utilizavam disparador com retardo. Conclusão: Há falta de conhecimento sobre proteção radiológica. Um programa educacional em Radiologia pode produzir mudanças nas atitudes dos profissionais em relação ao uso da radiação ionizante.